Programa Estadual de Assistência à criança portadora de microcefalia será criado no Rio

A microcefalia não tem cura e o tratamento inclui sessões de fonoaudiologia, fisioterapia e terapia ocupacional pelo menos 3 vezes por semana para estimular a criança. Para melhorar a qualidade de vida da criança portadora de Microcefalia o deputado estadual Átila Nunes propôs a criação, junto à Secretaria Estadual de Saúde, do Programa Estadual de Assistência Portadora de Microcefalia a ser implantado nas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) do Estado do Rio de Janeiro. O programa deverá assistir à criança portadora de Microcefalia bem como informar aos pais quanto aos cuidados e particularidades na criação desta criança.